Nesse período foram defendidas 6 dissertações

Dissertações de 2011

 

Carlos Eduardo Fraga da Silva

Título: Livro infantil e seus poderes: a força que tem e as que agem sobre ele

Orientador: Martha Alkmin Páginas: 100



O objetivo desta dissertação é relacionar a literatura infantil com as condições históricas e sociais que lhe deram origem e ainda são determinantes na sua produção. Surgida na Europa do século XVIII trás em si as marcas deste período de afirmação da burguesia e do início do que se tornaria uma indústria cultural de massa.
O romantismo foi outra influência que perdura até os dias atuais em grande parte da produção. Não só numa espécie de idealização da infância como também na forma de ver a literatura e a arte em geral. O ideário romântico está presente nesta dissertação. É com ele que indiretamente muitas vezes debatemos, pois acreditamos ser uma forte influência até os dias atuais nos textos dirigidos a crianças.
No primeiro momento são analisadas as condições históricas que propiciaram o nascimento de uma literatura infantil. Desde o seu início sempre esteve ligada a uma ideologia burguesa. Depois é analisado um texto da autora portuguesa Sophia Andersen. É um texto para crianças que justamente foi escolhido por lhes mostrar o início da formação do mundo burguês. Um texto que tenta conscientizar a criança da sua condição. A sociedade burguesa operou grandes separações. Separou os campos do saber: Isolou o estético do gnosiológico e do ético. Com isto reduziu muito o poder revolucionário tanto da arte como da ciência. Isolou também a criança do mundo através dos cuidados da família e dos muros da escola. Isto enfraqueceu os indivíduos, tornando-os obedientes e adaptados ao sistema. Diminuiu muito sua potência de pensar e agir.
É defendido que um texto emancipatório para crianças é aquele reduz a distância entre a criança e o mundo, um texto que a reaproxime da vida social. Um texto que não separasse estético do gnosiológico e do ético, que fosse além das preocupações estéticas, também poderia ser altamente emancipatório. Por isso analisamos aqui o ensaio, texto com estas características, e a possibilidade de sua utilização também para crianças. Não é a proposta aqui sugerir modelos ou normas para textos literários. Isso não teria nenhum sentido dada a singularidade da produção artística. O que se propõe no final da dissertação é se pensar a possibilidade também de um outro tipo de texto para crianças com outras preocupações além da estética.

 

Fábio Galera Moreira

Título: A caminho da poesia: a instauração do vigor poético como acontecimento

Orientador: Antonio Jardim Páginas: 161



Este trabalho pretende pôr em questão os fundamentos da investigação poética, objetivando abrir caminho para uma interpretação mais originária do acontecimento da poesia. Evitando as interpretações literárias fundadas numa compreensão metafísica, o trabalho propõe a investigação da instauração do vigor poético como acontecimento da verdade, procurando dimensionar o que há de mais próprio nesta busca. Esta perspectiva de investigação é fundamentada no pensamento do filósofo Martin Heidegger. Para este intento, afirmamos o primado da poesia, em detrimento das interpretações que buscam a descrição da forma e a categorização do conteúdo. Analisamos a relação entre a arte e o crítico literário, segundo a busca por uma relação proposicional de correção entre o objeto e a proposição afirmativa, o que acaba gerando o fundamento para o juízo estético. O trabalho refletiu também sobre a constituição existencial da Abertura, conceito caro ao pensamento que procura dimensionar o homem enquanto ser-no-mundo. Tematizamos ainda o silêncio da linguagem, abordamos a questão da correspondência entre o ser e a linguagem e tratamos da dimensão da verdade da palavra. Os resultados que pudemos obter mostram que o próprio do fenômeno poético referese à apropriação do acontecimento da verdade, entendida como alétheia, e também à apropriação de tempo/espaço na Abertura. A obra poética, compreendida segundo uma atitude de apropriação, provoca o obrar da obra numa dimensão em que o fazer humano perde o controle sobre o mostrar-se das palavras, instaurando a poesia num vigor mais essencial do que as categorizações do fenômeno literário.

 

Fábio Santana Pessanha

Título: A hermenêutica do mar em Virgílio de Lemos

Orientador: Carmen Lucia Tindó Ribeiro Secco Páginas: 179



Uma poética talássica... hermenêutica de águas e letras escrita a partir da comunhão que procuramos ter com os cinco poemas iniciais de Para fazer um mar, antologia que reúne um mosaico de olhares, que perpetua a transitividade entre ilhas e Índico, atravessando e ressoando o fazer poético de Virgílio de Lemos. Cinco sonetos foram lidos, interpretados e, por que não, vividos a partir dos mundos realizados no curso da leitura que empreendemos: correntes marítimas em cadência de poesia. Cinco poemas, cinco composições de ondas, cinco maneiras de estar vivo e de concentrar possibilidades de pensar a realidade, de ser mar, de ser humano, de ser.

 

Hugo Langone Machado

Título: A te morientem: veredas da ficção literária no pensamento de Santo Agostinho

Orientador: Martha Alkimin de Araújo Vieira Páginas: 100



Resumo da Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura, Centro de Letras e Artes, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, como parte dos requisitos à obtenção do grau de Mestre em Ciência da Literatura (Teoria Literária).

 

Jucilene Braga Alves Mauricio Nogueira

Título: A busca por um "exacto limite": modos de ser e de dizer em ritos de passagem, de Paula Tavares

Orientador: Angélica Maria Santos Soares Páginas: 86



Este trabalho apresenta um estudo sobre o primeiro livro de poesias da escritora angolana Paula Tavares, Ritos de Passagem (1985). Os poemas que o compõem propuseram reflexões críticas sobre a construção de um sujeito lírico que busca seu modo dizer, sua voz. Nesse sentido, observa-se que os versos delineiam caminhos que viabilizam a recriação desse processo de construção de identidade e exploram, por meio da palavra ou do silêncio, do excesso ou do vazio, as angústias de uma persona que é acentuadamente angolana e mulher. Destaca-se a forte presença da tradição na referida obra caracterizando-se como instrumento potencial para construção de uma nova realidade. Percebem-se ainda o erotismo e a memória como caminhos do discurso literário. A abordagem teórica contempla, principalmente, o estudo de Lucia Castello Branco sobre o feminino e a memória, as reflexões memorialísticas apresentadas por Ecléa Bosi, além das relações entre poesia e erotismo defendidas por Octavio Paz e Georges Bataille.

 

Natália da Silva Gama

Título: Partituras literárias: duo para Marcel Proust e René Girard

Orientador: Vera Lins Páginas: 104



Neste trabalho propomos uma leitura do romance Em busca do tempo perdido de Marcel Proust em parceria com a teoria do desejo mimético desenvolvida por René Girard. Privilegiamos para essa leitura o processo de reconhecimento da mímesis no desejo e a sua implicação tanto na literatura como na vida. Para nos auxiliar nesse projeto, recorremos aos estudos sobre a memória involuntária e a sua relação com o romance, pois se a memória transfigura o objeto, o romance nos descreve não como uma ilusão vivida no momento do desejo, mas como uma ilusão nova. A partir dessa perspectiva, acompanhamos o trabalho do narrador de salvaguardar na obra literária o tempo de outrora em seus enganos e desenganos. Tarefa de refazer travessias imaginárias, caminhos da memória, ficções, tempos perdidos e recuperados. Malhas de um pentagrama sobre o qual a escrita literária se impõe. História de um canto. Partitura para o concerto de Em busca do tempo perdido na nossa interpretação de Proust e Girard

 

Coordenação

Coordenadora: Profª. Flavia Trocoli

Vice-coordenador:Prof. Alberto Pucheu

Atendimento: Noêmia Costa
posciencialit@letras.ufrj.br

Contate-nos

O PPGCL tem sede no campus da Faculdade de Letras da UFRJ. Saiba nosso endereço clique aqui.

Endereço

Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura - PPGCL
Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Sala F. 323
Cidade Universitária - CEP 21941-917
Rio de Janeiro - RJ

ATENDIMENTO AO PÚBLICO


Terça-feira e quinta-feira 9h às 13h

Quarta-feira 9h às 16h